segunda-feira, 30 de abril de 2007

Maçonaria: a Rosa-Cruz: que é?

(Revista Pergunte e Responderemos, PR 183/1975)

Em síntese: Por "Rosa-Cruz" entende-se um conjunto de Sociedades que, embora por vezes se digam originárias do Oriente ou do Egito, têm seu início no séc. XVII d. C. Em 1615 um escrito anônimo intitulado "Confessio Fraternitatis Rosae Crucis" divulgou a estória de Christian Rosenkreutz (1378-1484), que teria viajado pelo Oriente e lançado os prin­cípios de uma Fraternidade imbuída de sabedoria oriental e destinada a reformar o mundo. A Fraternidade, que tomou o nome de seu fundador (Rosenkreutz = Rosa-Cruz), teria ficado latente até o começo do séc. XVII. Os homens que nesta época leram tal estória, impressionaram-se por ela e puseram-se a procurar as sedes da Rosa-Cruz. Visto que não as encon­travam (pois na verdade não existiam), fundaram núcleos segundo os padrões descritos pelo livro "Confessio Fraternitatis...". Foi então que o autor deste saiu do seu anonimato; era o teólogo luterano alemão Johan­nes Valentin Andreae (1586-1654), que declarava ter sido o inventor da estória de Christian Rosenkreutz; reconheceu que este personagem e sua Fraternidade eram lendários; J. Andreae, publicando o referido livro, intencionava ridicularizar a mania de maravilhoso e o alquimismo ocultista do seu tempo. - Contudo não lhe foi possível deter a propagação dos núcleos Rosa-Cruz. Hoje existem, ao menos, quatro Fraternidades rosacrucianas, das quais a principal é a AMORC (Antiga e Mística Ordem da Rosa-Cruz).

Embora juridicamente independentes umas das outras, essas Socie­dades professam doutrinas características: o panteísmo, a transmigração das almas ou reencarnação, além de proposições de astrologia, curandeirismo, higiene física e mental... São Sociedades secretas que, apesar de professar neutralidade em matéria religiosa, assumem o lugar da Reli­gião, de tal modo que um fiel católico não pode conciliar sua fé cristã com a adesão à Rosa-Cruz.

***

Comentário: De vez em quando a imprensa publica al­gum anúncio da Sociedade Rosa-Cruz... Esta enumera, entre os seus membros, homens famosos de todos os tempos (Des­cartes, Bacon, Franklin, Newton...) e promete extraordiná­rias vantagens a quem se queira iniciar na sabedoria rosa­cruciana. Em vista disto, muitos leitores perguntam o que é a Rosa-Cruz e como a sua filosofia se relaciona com a dou­trina cristã. Eis por que voltaremos nossa atenção para as origens e a atual situação da Rosa-Cruz, assim como para as proposições que ela apresenta aos seus adeptos.

1. Donde vem?

Por «Rosa-Cruz» hoje em dia entende-se um conjunto de Sociedades independentes umas das outras no plano jurídico, mas portadoras de idéias e mensagens afins entre si. São elas: a «Antiga e Mística Ordem Rosae Crucis» (AMORC), a «Fraternidade Rosa-Cruz de Max Heindel» , a «Fraternitas Rosae Crucis» (FRC) e a «Fraternitas Rosacruciana Antiqua» (FRA) ou Igreja Gnóstica.

A origem da Rosa-Cruz assim entendida está numa estó­ria propalada no séc. XVII por um teólogo luterano alemão chamado Johannes Valentin Andreae (1586-1654).

Com efeito. Em 1610 apareceu na Alemanha um manus­crito intitulado «Fama Fraternitatis Rosae Crucis», de autor anônimo, que em 1614 o mandou imprimir na cidade de Cas­sei. Em 1615 saiu a quarta edição desse livro, juntamente com outra obra do mesmo escritor anônimo: «Confessio Fraternitatis Rosae Crucis ad eruditos Europae». Em 1616, apa­receu «Die Chymische Hochzeit Christiani Rosenkreutz» ainda do mesmo autor anônimo.

Estes livros de modo geral propunham a renovação da Igreja, do Estado e da sociedade mediante um grupo de pes­soas de escol pertencentes à «Fraternidade Rosa-Cruz». Esta, conforme o autor, haveria sido fundada por Christian Rosen­kreutz, que teria dado o seu próprio nome à Fraternidade (Rosenkreutz, em alemão, significa Rosa-Cruz). A respeito do fundador narrava o autor anônimo o seguinte:

Christian Rosenkreutz nasceu na Alemanha em 1378. Fez os seus primeiros estudos num mosteiro, onde aprendeu o latim e o grego. Aos 16 anos de idade, terá começado a via­jar pelo Oriente e pelo Egito, onde travou relações com os maiores sábios e magos da época. De volta à sua terra natal, reuniu sete companheiros para fundar com eles a Fraterni­dade Rosa-Cruz; os membros desta procurariam, mediante viagens ao Oriente, imbuir-se da sabedoria dos antigos, que eles trariam para a sua sede na Europa. A Sociedade assim constituída, ficaria sendo secreta.

Christian Rosenkreutz faleceu em 1484, com 106 anos de idade (longevo, por causa do elixir da longa vida, que ele descobrira). Morreu no fundo de uma caverna, onde passara os últimos anos de vida. Transformada em sepultura, essa mansão devia permanecer ignorada até 1604, data prevista por Rosenkreutz para se manifestar ao público. Foi então que a Fraternidade começou a ser divulgada mediante a difusão do escrito «Fama Fraternitatis», que circulou amplamente de mãos em mãos, com um convite para que as pessoas ilumi­nadas entrassem na Fraternidade.

Essas noticias e a exortação anexa encontraram profunda ressonância na sociedade européia do séc. XVII, que muito se interessava por assuntos esotéricos, mágicos e misteriosos. Muitos alquimistas e «místicos» puseram-se a procurar alguma sede da «Rosa-Cruz» para nela ingressar. Todavia ninguém encontrava núcleo algum da mesma. Em conseqüência, os admiradores mais hábeis tentaram organizar eles mesmos, e segundo os padrões indicados nas citadas obras anônimas, So­ciedades secretas ditas «de Rosa-Cruz». Principalmente na Renânia fundaram-se numerosos grupos de Irmãos Rosa-Cruz.

Enquanto os acontecimentos assim se precipitavam, Johannes Valentin Andreae resolveu declarar que o autor dos escri­tos sobre a Rosa-Cruz era ele mesmo; explicou ao público que, dessa forma, tencionara ridicularizar a mania de maravilhoso e o alquimismo ocultista, que caracterizavam os homens do seu tempo. Não lhe deram crédito, porém, de modo que a Alemanha e, depois, a França se viram recobertas por uma onda de escritos referentes à Rosa-Cruz. Em 1632 foi afixado em Paris um Manifesto que anunciava a chegada dos rosacrucianos, «salvadores do mundo». O bibliógrafo francés Gabriel Naudé (1600-1653) escreveu contra a Rosa-Cruz o livro «Ins­truction à la France sur la vérité de l'histoire de la Rose­-Croix»; mas não conseguiu deter a propagação desta.

Em 1662, a sede principal das Fraternidades Rosa-Cruz foi transferida para Haia

(Holanda); fundaram-se outras mais em Hamburgo, Nuremberga, Danzig, Veneza e Mântua, assim como na Inglaterra. Tão rápida difusão deve-se ao cunho maravi­lhoso das promessas e dos recursos apresentados pelos escritos rosacrucianos: a alquimia, a cabala, a ciência dos números eram aplicadas à descoberta dos segredos da natureza.[1]

Os rosacrucianos esperavam conseguir faculdades sobrenaturais que os isentassem das necessidades dos homens em geral; não sentiriam nem fome nem sede, nem enfermidade nem velhice; conheceriam o íntimo dos homens - o que lhes permitiria recusar a pessoas indignas a entrada nas suas Fraternidades.

No séc. XVIII deu-se o apelativo de «Rosa-Cruz» a todos os grupos de «iluminados» que afirmavam ter relações secre­tas com o mundo invisível. A própria Maçonaria adotou o título de «Cavaleiro Rosa-Cruz» para o 18° grau do Rito Es­cocês e Antigo, para o 12° grau do Rito Adonhiramita e para o 7° grau do Rito Moderno ou Francês. Isto, porém, não sig­nifica que entre a Maçonaria e a Rosa-Cruz haja algum vín­culo jurídico; trata-se de mero relacionamento extrínseco ou de nome.

Digamos agora algo de mais preciso sobre as principais Sociedades Rosacrucianas hoje em dia existentes.

2. Antiga e Mística Ordem Rosa-Cruz (AMORC)

Distinguiremos doutrina, iniciação e finalidade da AMORC.

2.1. Doutrina e mensagem

O livro «O domínio da Vida» distribuído pela AMORC aos seus candidatos apresenta a Ordem Rosa-Cruz como a mais antiga das Sociedades humanitárias; assinala a sua origem no antigo Egito durante a XVIII dinastia, sob o reinado do Faraó Amenhotep IV, cerca de 1350 anos antes de Cristo; o rei Salo­mão (+ 932 a.C.), de Israel, terá sido rosacruz. O livro «Fama Fraternitatis Rosae Crucis», que apareceu em 1610, terá sido obra do filósofo inglês Francis Bacon (1561-1626). A AMORC informa que geralmente os homens usam apenas 10% dos seus poderes mentais, mas que o uso regular dos outros 90% é possibilitado pelas normas rosacrucianas; as grandes verdades descobertas nos séculos passados pelos mais destemidos pensadores tiveram que ficar ocultas na era das trevas, mas agora são trazidas à luz pela Rosa-Cruz. - Antes de receber a primeira lição impressa que a Fraternidade envia a quem deseje iniciar-se na Ordem, o candidato tem que jurar “conservar confidencial todo material de estudo, lições e dis­cursos a mim enviados". A quem leia e pratique tais lições, a Rosa-Cruz promete que resolverá seus problemas sem difi­culdades, poderá enxergar sem necessidade de olhos, viverá mil vidas em uma só, viajará para outro mundo sem sair deste, transformará sua personalidade, investigará o desco­nhecido e chegará a saber se existe ou não outra vida após a morte, se os animais têm almas, se há reencarnação...

Embora os escritos rosacrucianos afirmem que a Rosa­-Crz não é religião, que «cada membro pode seguir os dita­mes da sua própria consciência em assuntos religiosos», que «nos ensinos rosacruzes não se encontra nada que se oponha às convicções religiosas do indivíduo», etc., deve-se observar que na verdade a Rosa-Cruz incute teses que suscitam atitu­des religiosas e se opõem frontalmente aos conceitos básicos do Cristianismo:

a) Panteísmo: a Divindade, o universo e o homem se identificam entre si, constituindo uma só substância. Tenham-se em vista textos muito significativos extraídos do «Manual Rosa­-Cruz» distribuído pela AMORC:

"O homem é Deus e filho de Deus, e não existe outro Deus senão o homem" (p. 171).

"Erroneamente falamos da alma no homem ou da alma do homem, como se cada ser humano ou cada organismo consciente tivesse dentro do seu corpo, neste plano terreal, algo separado e distinto que denomi­namos alma; e, portanto, em cem seres haveria cem almas. Isto não é verdade, não está certo. Não existe senão uma só alma no Universo, a alma de Deus, a consciência vivente e vital de Deus. Dentro de cada ser vivente há um segmento não separado desta alma universal, e este segmento é o que constitui a alma do homem. Ela jamais cessa de ser parte da alma universal, assim como a eletricidade em uma série de lâm­padas elétricas de um círculo não é uma porção separada ou desconexa da corrente que flui por todas as lâmpadas. A alma que está no homem é Deus que está nele, o qual faz que toda a humanidade seja parte de Deus, Irmãos e Irmãs sob a sua paternidade" (p. 162).

É muito freqüente na linguagem rosacruciana a expres­são «Consciência cósmica» ou «Mente cósmica», que a Rosa­-Cruz assim explica:

"(Consciência cósmica) é a consciência que Irradia de Deus e enche o espaço e todas as coisas. Tem vitalidade, mente, poder construtivo, Inteligência Divina. Nesta consciência projetam-se as consciências psíqui­cas de todos os Mestres e todos os Adeptos podem harmonizar-se com ela. A Consciência Cósmica sabe tudo, o passado, o presente e o futuro, porque ela é tudo" (p. 168s).

b) Reencarnação: Segundo a filosofia da Rosa-Cruz em geral, dá-se a reencarnação ou a pluralidade de vidas terres­tres para um só indivíduo.

Além disto, o «Manual Rosa-Cruz» da AMORC propõe descrições do templo, do altar, do «sanctum» sagrado, das cerimônias e dos ritos com orações e bênçãos..., que dão aspecto fortemente religioso às reuniões das Lojas rosacrucianas. Existe até mesmo uma cerimônia rosa-cruz comparável ao Batismo: dá-se então um nome à criança e os pais prometem proporcionar a esta uma educação «em escolas não sectárias» e encaminhá-la para a AMORC, desde que tenha a idade exi­gida (cf. «Manual Rosa-Cruz» p. 184).

Como se vê, este conjunto de doutrinas e ritos assume o lugar de religião em um adepto da Sociedade Rosa-Cruz; é impossível ser cristão e, ao mesmo tempo, compartilhar as idéias e práticas rosacrucianas.

2.2. Iniciação e segredo

Homens e mulheres podem ingressar na AMORC, caso seu pedido de ingresso seja aceito pelos dirigentes da Ordem.

A iniciação se faz geralmente por correspondência sob forma de lições semanais, que o candidato recebe pelo correio em troca de determinada taxa. Antes de receber a primeira remessa, deve o candidato assinar a seguinte declaração:

"Um dos privilégios da filiação à Rosa-Cruz é o recebimento de qua­tro monografias, todos os meses, as quais contém os estudos exotéricos e esotéricos da filosofia Rosa-Cruz. Elas me são emprestadas pela Ordem enquanto me conservar como membro ativo e, caso deixe, por qualquer razão ou em qualquer época, de manter filiação ativa, compreendo que essas monografias devem ser devolvidas à Ordem Rosa-Cruz (AMORC), uma vez que elas são sua propriedade legal".

Depois de seis semanas de doutrinação por correspondên­cia, a pessoa que esteja suficientemente preparada, pode ser iniciada no Primeiro Grau da Ordem; o ritual respectivo é realizado na casa mesma do candidato. Seguem-se mais dois graus, que podem ser galgados em cerca de dez meses, de modo que dentro de um ano aproximadamente o novo membro da Ordem atinge os graus preliminares. Depois disto, se o sócio é aprovado, pode receber ulteriores instruções no decor­rer de mais doze graus de iniciação, chamados «graus do Templo», que exigem sempre prévio juramento de lealdade e segredo. As monografias então distribuídas versam sobre cosmologia (1° grau), psicologia (2° grau), curandeirismo (6° grau), mística (7° grau), reencarnação (8° grau), relação do homem com Deus (9° grau). As lições dos três graus supre­mos (10°, 11° e 12°) são tão elevadas e conferem poderes tão extraordinários que não podem ser adequadamente expressas por palavras; por isto são comunicadas «psiquicamente»; os que nelas sejam iniciados, vêm a ser os «Iluminati» (Ilumi­nados) que integram o governo geral da Ordem, diretamente sob a direção do «Imperator» e dos Mestres Cósmicos. Nin­guém pede admissão aos graus dos «Iluminados», mas é con­vidado quem se mostra digno.

O segredo é mantido na AMORC sob rigorosa disciplina; há palavras de passe, toques, sinais e saudações diferentes em cada grau; o ingresso de cada pessoa numa Loja é severa­mente controlado. Antes de assinar o seu nome inteiro no Livro Negro oficial de determinada Loja, o candidato deve jurar nos seguintes termos:

"Diante do sinal da cruz prometo por minha honra não revelar a ninguém que não seja conhecido como Frater ou Soror desta Ordem, os sinais secretos ou palavras que aprenderei antes, durante ou depois de ter passado pelo Primeiro Grau".

Embora este juramento obrigue uma vez por todas, existe um juramento antes da iniciação em cada grau subseqüente.

2.3. Finalidade

O próprio «Manual Rosa-Cruz» à p. 27 informa que a AMORC «é principalmente um movimento humanitário, com a finalidade de conseguir a maior saúde, felicidade e paz na vida terrena de todo o gênero humano.» Acrescenta: «Note-se particularmente que dizemos na vida terrena de todos os homens, porque nada temos a fazer com doutrinas consagra­das aos interesses de indivíduos que vivam nalguma condição futura e desconhecida. O trabalho do rosa-cruz é para ser feito aqui e agora... »

Mais adiante o texto do Manual se explicita, propondo como finalidade da Ordem «capacitar a todos, homens e mu­lheres, a levar vidas puras, normais e naturais, segundo os propósitos da Natureza, e desfrutar de todos os privilégios, dons e benefícios que esta tem reservado para o gênero hu­mano; e libertá-los das cadeias da superstição, das limitações da ignorância e dos sofrimentos do karma evitável».

A base de tal programa da AMORC é o panteísmo ou monismo professado por essa Sociedade: se a Divindade, o mundo e o homem são manifestações de uma só e única subs­tância, entende-se que o homem será feliz se conseguir entrar em sintonia com os elementos da Natureza que o cerca... Essa harmonia, a Rosa-Cruz pretende ensiná-la, comunicando aos seus iniciados programas de higiene e de psicologia, assim como outras normas que ajudam a viver e trabalhar metodi­camente. Tais programas podem ser válidos por motivos cien­tíficos, não, porém, porque o seu fundamento filosófico (o panteísmo) seja razoável e aceitável.

3. A Fraternidade Rosa-Cruz de Heirrdel

3.1. Origem

Max Heindel (+ 1919) era um teósofo alemão que viveu nos Estados Unidos da América. Estava convicto de que Christian Rosenkreutz fora o fundador da Fraternidade Rosa­-Cruz, como ele mesmo professa no seu livro «Concepto Rosa­cruz del Cosmos» (Buenos Aires 1947), pp. 429s, em que trata das reencarnações de Christian Rosenkreutz:

"O nascimento de Christian Rosenkreutz como tal[2] marcou o início de uma nova época de vida espiritual no mundo ocidental. Depois disso esse Ego particular esteve em contínuas existências físicas em um ou outro país europeu. Tomava corpo novo sempre que seus sucessivos veículos per­diam a sua vitalidade ou quando as circunstâncias impunham a mudança de campo de suas atividades. Hoje em dia está encarnado, sendo um iniciado de grau superior, potente e ativo fator nos assuntos do Ocidente, embora desconhecido para o mundo. Trabalhou com os alquimistas durante vários séculos, antes do advento da ciência moderna. Foi ele que, por um interme­diário, inspirou as obras agora mutiladas de Bacon, Jacob Boehme e outros; estes receberam dele a inspiração que iluminou suas obras espiritual­mente. Nas obras do imortal Goethe e nas do maestro Wagner, encontramos a mesma influência".

Convicto destas teses, Max Heindel fundou «The Rosi­crucian Fellowship», com sede central em Oceanside, Califór­nia (U. S.A.).

As idéias de Max Heindel muito se aproximam das do antroposofista Rudolf Steiner, seu contemporâneo, sendo que ambos se inspiraram na Doutrina Secreta de Helena Bla­vatsky, uma das fundadoras da teosofia[3]. Heindel procurou dar às concepções que o inspiraram uma índole aparentemente cristã e, por isto, pouco afim à linguagem da mística hinduísta.

Vejamos agora algumas das proposições de Max Heindel.

3.2. Concepções doutrinárias

As teses que Heindel apresenta aos seus discípulos, são obscuras; utilizam vocábulos da astrologia e do Cristianismo, estes, porém, totalmente esvaziados do seu significado clás­sico. - Eis alguns espécimens:

Ao se conceber a história da humanidade, devem-se dis­tinguir sete períodos: o de Saturno, o Solar, o Lunar, o Ter­restre, o de Júpiter, o de Vênus e o de Vulcano. - Cada período se subdivide em sete revoluções; cada revolução em sete globos; cada globo em sete épocas. O gênero humano já viveu os períodos de Saturno, o Solar e o Lunar e três revolusões e meia do período Terrestre. As sete épocas do período terrestre se chamam: Polar, Hiperbórea, Lemúrica, Atlântica, Aria, Nova Galiléia e Reino de Deus. Vivemos agora na quinta época do quarto globo da quarta revolução do quarto período, que é a época chamada Aria. Os homens que viveram no primeiro período (o de Saturno), chamam-se Senhores da Mente; os que viveram no período Solar, chamam-se Arcan­jos; os que viveram no período Lunar, chamam-se Anjos. O maior iniciado do período de Saturno era o Pai; o maior ini­ciado do período Solar era o Senhor Cristo; o maior iniciado do período Lunar era o Espírito Santo ou Jeová. Jesus foi um grande iniciado no atual período terrestre; no momento do Batismo encarnou-se nele a natureza angélica do Senhor Cristo...

No tocante a Deus e à alma humana, M. Heindel professa aproximadamente os mesmos conceitos que a AMORC, como se depreende do seguinte texto do mestre:

"A doutrina rosacruz é que cada alma é parte integrante de Deus. Cada qual se esforça por obter experiências mediante repetidas encarnações em corpos de sempre maior perfeição; por conseguinte, morre e nasce muitas vezes. Em cada vida ela consegue um pouco mais de experiência e pro­gride assim paulatinamente da nesciência à onisciência, da fraqueza à oni­potência" (Max Heindel, "Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas", resposta à pergunta n° 177).

Como se vê, panteísmo e reencarnacionismo ressaltam deste texto.

Na base da sua visão panteísta, Heindel julgava poder ensinar processos terapêuticos. A Fraternidade Rosa-Cruz por ele fundada costumava distribuir anualmente a seus sócios um cartão especial com a indicação dos dias mais favoráveis às curas. Assim, por exemplo, para o ano de 1957 foi difundida a seguinte advertência:

"Cada semana, quando a Lua está em um signo cardeal, nos reunimos com o propósito de gerar por meio de fervorosa oração e concentração a força curativa, que pode ser canalizada pelos Irmãos Maiores e aqueles que trabalham sob a sua direção, para curar os enfermos e confortar os aflitos. Que a nossa mais fervorosa gratidão se eleve até o Grande Médico pelas curas e bênçãos que nos foram concedidas. Nas datas que se seguem abaixo, às 6,30 da tarde, segundo o seu relógio, retire-se a um lugar tran­qüilo, cerre os olhos, imagine mentalmente a Rosa Branca e Pura no centro do emblema Rosacruz, no muro deste Templo em Oceanside; concentre-se com toda a intensidade de sentimento de que seja capaz sobre o Amor Divino Curativo. Assim você poderá converter-se em um canal vivo do Poder Cura­tivo Divino, que nos chega diretamente da Pai Celestial.

Datas de Curas em 1957:

Janeiro 7-14-20-27 Julho 3-10-17-24-30

Fevereiro 3-10-16-23 Agosto 6-14-21-27

Março 3-10-16-22-30 Setembro 2-10-17-23-30

Abril 6-12-19-26 Outubro 7-14-21-27

Maio 3-10-16-24-31 Novembro 3-11-17-23

Junho 6-13-20-27 Dezembro 1-8-114-21-28

A Fraternidade recomenda a seus membros sobriedade na comida, abstinência de carne, de bebidas alcoólicas, prática de jejum, meditação, etc.

4. FRC e FRA

1. Em 1939 foi apresentada ao Poder Legislativo dos Estados Unidos e lida em sessão plenária por um senador americano a «Segunda Fama Fraternitatis». Formou-se então a «Federação Universal de Ordens, Fraternidades e Sociedades de Iniciados», que unia entre si as irmandades «genuínas, legalmente constituídas e legitimamente existentes» nos Esta­dos Unidos, na França, na Bélgica, na Suíça, na Holanda, na Inglaterra, na Polonia, no México, e em Madagascar.

A essa Federação filiaram-se a «Fraternitas Rosae Cru­cis» (FRC) e a «Fraternitas Rosicruciana Antiqua» (FRA), também dita «Igreja Gnóstica». A «Secunda Fama

Frater­nitatis», atrás mencionada, apresenta uma Declaração de Princípios da Federação, que, entre outras coisas, reza o seguinte:

"Cremos no Ser Supremo... de quem todos somos partes, e de quem todo aquele que o deseja e quer, pode participar livre e abundantemente... Sustentamos que a Lei atua por Involução e Evolução, mediante a Lei da Reencarnação e do Karma, ou princípio de causa e efeito... Situamos nossa origem nas antiqüíssimas idades dos Mestres Antigos da Sabedoria e nas grandes Escolas ocultas das Idades remotas, e possuímos ensinamentos ori­ginais, verdadeiramente esotéricos e ocultos, dos Filhos da Luz ou Filhos de Deus. A Sagrada Doutrina e os ensinos das antigas Escolas Esotéricas, preservados, e a nós entregues na filosofia essencial, ética e os ensinamentos da Fraternidade Hermética e da Ordem original da Rosa Áurea e da Cruz Rosada, são declarados como fundamentais para esta Confederação. Abra­çamos e reconhecemos todos os credos religiosos sãos e, sem condenar a nenhum, os reconciliamos a todos".

Seguem-se alguns itens sob o título «Nosso Credo e Câ­nones Éticos», dos quais podem ser salientados os seguintes:

"8) Concedemos toda a nossa simpatia e estímulo àqueles que cons­cientemente buscam a Pedra Filosofal e o Elixir da Vida e lhes sugerimos emulação e persistência, recordando-lhes que, no uso do Solvente Universal para a prática da Arte de Transmutações e o conhecimento do Grande Se­gredo do Poder Criador-Regenerador, não há dificuldades para quem dese­jar, e verdadeiramente o queira. A estes dizemos : Experimentai! Atrevei-vos sem desfalecimento.

11) Acreditamos que a Chispa Celestial e inefável da Divindade reside na Alma do homem e que o homem é uno com o Todo-Pai-Mãe e que, por conseguinte, as possibilidades de todos os homens e mulheres são infi­nitas..."

... Para a gloriosa Era Egípcia, nasceram Osíris e seu Sacerdócio; para a segunda, Jesus, o Cristo e a Religião Cristã com sua Mística; e, para a terceira e final desta Trindade, nasceu a Confederação de iniciados, herdeiros de todas as idades, iniciadores do presente e do futuro".

2. Quanto à Igreja Gnóstica em particular, ela pode ser conhecida através do livro «A Igreja Gnóstica» da autoria do Dr. Arnold Kraumm-Heller, alemão, que tomou o nome iniciático de «Huiracocha», tornando-se o «Soberano Comen­dador» dessa «Igreja». O livro é apresentado com os seguin­tes dizeres:

"Nós, Arcebispos e Bispos da Santa Igreja Gnóstica, reunidos em Con­cílio Plenário com a devida autorização do Patriarca da Suprema Hierarquia da Igreja e com pleno poder da Fraternidade Branca, à qual pertencemos. enviamos nossa Bênção Apostólica a todos os Irmãos sem distinção de sexo, castas, raça ou cor, desejando que a Roda Evolutiva deste Ciclo de Vida acelere o seu passo, para que a Fraternidade Universal se faça carne entre todos os Filhos do Pai e o Lógos divino faça florescer a Rosa bendita da Espiritualidade sobre a gigantesca Cruz da nossa Terra. Nós, com os poderes que nos foram conferidos, autorizamos o Arcebispo de nossa Santa Igreja, Frater Huiracocha, para que dê publicidade a este livro, no qual se faz uma exposição doutrinária sobre o número e o significado de nossos Mistérios, já que chegou o momento em que a Primitiva e Verdadeira Igreja Cristã saia ao encontro da Humanidade nesta Era precedente ao Nascimento do Aquário".

A seguir, lê-se o seguinte convite:

"Vinde, pois, bebei desta Fonte. A Igreja Gnóstica não é uma igreja, mas um novo Ideal Religioso inventado a propósito dos tempos. É a Igreja de Cristo, a que Jesus pregou, o divino Rabbi da Galiléia, com todos os seus Sagrados Mistérios Iniciáticos. É a Igreja da Redenção, a Primitiva Igreja Cristã, que sofreu todos os embates do Sectarismo Católico..."

Depois de passar rapidamente em revista as origens e as idéias das correntes de pensamento compreendidas sob o nome «Rosa-Cruz», perguntamo-nos:

5. Que pensar a respeito?

Não há necessidade de longas reflexões para se definir a posição cristã frente ao Rosacrucianismo.

1) As duas idéias básicas desta filosofia - o panteismo e o reencarnacionismo - não se conciliam com a doutrina da Bíblia nem resistem ao crivo da razão.

Com efeito, o panteísmo é ilógico: Deus (Infinito, Eterno, Absoluto) não pode ser identificado com o mundo e o homem (que são finitos, contingentes, relativos). Deus é transcen­dente, ou seja, por sua natureza é radicalmente diverso de qualquer criatura. Verdade é que Ele imprimiu sua imagem e semelhança no homem, dando-lhe inteligência e amor; isto, porém, não quer dizer que a alma humana ou a mente do homem seja parcela de Deus; Deus não pode ter partes, pois, cada parte sendo finita, Deus seria finito; o Infinito não resulta da soma de partes finitas.

Quanto à tese da reencarnação, ela não pode ser demons­trada; a S. Escritura a exclui, propondo-nos como modelo a imitação de Cristo, que morreu na cruz e ressuscitou num corpo glorioso uma vez por todas.

2) A Rosa-Cruz pode fascinar porque parece correspon­der à sede de maravilhoso e de experiência mística que todo homem traz em si. E preciso reconhecer, porém, que, no decorrer dos séculos até nossos dias, a fantasia e a imaginação muitas vezes preponderaram sobre o raciocínio e a lógica, em se tratando de fenômenos maravilhosos e da aquisição de pode­res secretos. Tal é o caso da Rosa-Cruz: propõe divulgações imaginosas destituídas de qualquer fundamentação racional ou de documentação histórica adequada. Afirma gratuitamente coisas que o bom senso não deveria aceitar sem credenciais sufi­cientes. Quem aceita tais coisas, aceita-as sem ter evidência lógica, racional, de que correspondem à verdade ou de que merecem crédito; aceita-as em fé cega. Ora a autêntica fé, embora ultrapasse os exíguos limites da razão, não dispensa o crivo da razão. Quem se afasta dos parâmetros da razão e da lógica, sujeita-se a cair nos mais grosseiros erros.

Ver a propósito

Fr. Boaventura Kloppenburg, "O Rosacrucianismo no Brasil". Coleção "Vozes em Defesa da Fé" n° 10. Petrópolis 1959.

K. Algermissen, "Rosenkreuzer", em "Lexikon für Theologie und Kirche". Bd. 9. Freiburg i./Br. 1964, cols. 49s.

L. Cristiani, "Rosacroce", em "Enciclopedia Cattolica", t. X Città del Vaticano, cols. 1343s.

___

NOTAS:

[1] A alquimia procurava transformar os metais e produzir ouro; tencio­nava outrossim descobrir o elixir da longa vida.

A cabala interpretava letras e sinais da escrita de modo a deduzir dos mesmos as mais diversificadas mensagens e profecias.

[2] Isto é, na encarnação em que teve este nome.

[3] A teosofia (do grego Théos, Deus, e sophia, sabedoria) é um sistema filosófico-religioso de índole panteísta e ocultista; inspira-se em teses e práticas das antigas religiões da Índia e do Tibé. Foi fundada no século XIX por Helena Blavatsky e o Coronel H. Olcott.

Da teosofia derivou-se a antroposofia (ánthropos homem). Esta é uma forma cristianizada de Teosofia, devida ao pensador alemão Rudolt Steiner, que em 1913 se separou da Sociedade Teosófica. Conservou as tendências panteístas e sincretistas da teosofia, procurando conciliar pan­teísmo e Mística cristã (o que é Impossível).

A propósito veja PR 3/1958, pp. 97-100 (antroposofia) e 17/1959, pp. 179-185 (teosofia). 20.

5 comentários:

Arnaldo Ribeiro disse...

REVELAÇÃO/EXORTAÇÃO
Urge difundirmos na terra a certeza de que Jesus Cristo já vive agindo entre nós, espargindo a luz do saber em sí, criando Irmãos Espirituais, e a nova era Cristã. Eu não minto, e a Espiritualidade que esperava pela sua volta, pode comprovar que digo a verdade. Por princípio, basta recompormos as 77 letras e os 5 sinais que compõe o título do 1º. livro bíblico, assim: O PRIMEIRO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO GÊNESIS: A CRIAÇÃO DOS CÉUS E DA TERRA E DE TUDO O QUE NÊLES HÁ: Agora, pois, todos já podem ver que: HÁ UM HOMEM LENDO AS VERDADES DO SEU ESPÍRITO: ÊLE É O GÊNIO CRIADOR QUE ESSA AÇÃO DE CRISTO: (LC.4.21) – Então passou Jesus a dizer-lhes: Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (JB.14.17) – O Espírito da verdade que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem conhece, vós o conheceis; porque Ele habita convosco e estará em vós.(MT.14.27) – Tende ânimo! Sou Eu: Não temais: (JB.2.5) – Fazei tudo o que Ele vos disser, (JB.5.27) – porque é o Filho do Homem: (JÓ.9.19) – Se se trata da força do poderoso Ele dirá: Eis-me aqui: Regozijai-vos e fazei jus ao poder que o Nosso Espírito traz às Almas Justas, para a formação da verdadeira Cristandade.

(MT.26.24) – O FILHO DO HOMEM VAI, COMO ESTÁ ESCRITO A SEU RESPEITO, MAS AI DAQUELE POR INTERMÉDIO DE QUEM O FILHO DO HOMEM ESTÁ SENDO TRAIDO! MELHOR LHE FÔRA NÃO HAVER NASCIDO:

E, ao recompormos as 130 letras e os 7 sinais que compõem esse texto, todos já podem ler, saber, e entender quem é o Filho do Homem:

E O FILHO DO HOMEM É O ESPÍRITO QUE TESTA AS ALMAS DO HOMEM E DA MULHER, NA VERDADE DO SENHOR, COMO CRISTO: E EIS A PROVA QUE O FILHO DO HOMEM FOI TREINADO NA LEI CRISTÃ:

(MC.14.41) – Chegou a hora, o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores: E hoje, quem desejar interagir conosco na obra comum da nossa criação, precisa fundamentar-se n`A Bibliogênese de Israel; que já está disponível na internet (Editora Biblioteca 24x7). E quem não quiser, pode continuar vivendo de esperança vã, assistindo passivamente a agonia da vida terrena, à par da auto-destruição do nosso planeta...

Arnaldo Ribeiro disse...

DOANDO FÉ CONSCIENTE E VIDA ESPIRITUAL EM CRISTO:
(GN.49.1) – AJUNTAI-VOS E EU VOS FAREI SABER O QUE VOS HÁ DE ACONTECER NOS TEMPOS VINDOUROS:(TB.12.6) – BENDIZEI AO DEUS DO CÉU, E DAÍ-LHE GLÓRIA DIANTE DE TODOS OS VIVENTES, POR TER USADO CONVOSCO DA SUA MISERICÓRDIA: O seu poder há de espiritualizar as almas de todos os Homens de bom senso, e de todas as Mulheres de boa fé; que alcançaram a verdade cientifica revelada na “EXORTAÇÃO DO SABER”; e que também já passaram a interagir com o Cristo Vivo, ao publicarem o chamamento que o nosso Pai Comum tem feito aos Filhos e Filhas do amor eterno, e que já começaram a renascer espiritualmente para a vida eterna.

Aqueles que buscaram as boas novas na “Bibliogenese de Israel”, já vislumbraram a herança espiritual que a Providência Divina nos legou, e também já saberão se auto-reciclar na Lei do Senhor que nos impõe a recomposição da literatura bíblica, para formar os Cristãos Conscientes que hão de consumar a Profecia Sagrada, conforme já tem sido demonstrado, assim:

(EX.) – O SEGUNDO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO ÊXODO: OS DESCENDENTES DE JACÓ NO EGITO. Estas 60 letras e 5 sinais recompostos, revelam que: É O CONJUNTO DE EX-SEGRÊDOS: O LEGADO DE VIDA CÓSMICA E O DESTINO DOS HOMENS.

Outro exemplo:

(JR) – JEREMIAS: A VOCAÇÃO DE JEREMIAS. São 26 letras e 3 sinais que dizem: CRIEI A AÇÃO DO SER: VEJAM E SEJAM.

(JB.29.22) - RECEBEI O ESPÍRITO SANTO! (1CO.11.1) – SEDE MEUS IMITADORES COMO TAMBÉM EU SOU DE CRISTO, (2JB.1.2) – POR CAUSA DA VERDADE QUE PERMANECE EM NÓS, E CONVOSCO ESTARÁ PARA SEMPRE: (JB.18.37) – EU PARA ISSO NASCI E PARA ISSO VIM AO MUNDO, A FIM DE DAR TESTEMUNHO DA VERDADE; - (2CO.13.8) – PORQUE NADA PODEMOS CONTRA A VERDADE, SENÃO EM FAVOR DA PRÓPRIA VERDADE.

(Na verdade, Deus nos concedeu o livre arbítrio, a fim de que pudéssemos agir tanto divinamente como diabolicamente; segundo a nossa formação cristã, na proporção da nossa graça em Cristo Jesus).

Arnaldo Ribeiro disse...

FORJANDO OS VERDADEIROS DISCIPULOS DE CRISTO POR AMOR À CAUSA DOS JUSTOS:
O ESPÍRITO DOS SANTOS PROFETAS DESPERTA OS DISCIPULOS DO CRISTO VIVO, REVELANDO O QUE ESTÁ ESCONDIDO NAS PARÁBOLAS BÍBLICAS: (RM.9.1) – Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência; (RM.10.11) – porquanto a Escritura diz:
(MT.15.18) – E chamando Jesus os seus discípulos, disse: (MC.14.41) Ainda dormis e repousais? Basta! (LC.8.10) - A vós outros é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; aos demais, fala-se por parábolas, para que, vendo, não vejam, e, ouvindo, não entendam: (HB.12.25) - – Tende cuidado, não recuseis ao que fala; (LC.10.24) – pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vedes e não viram, e ouvir o que ouvis e não ouviram; (SL.78.22) – porque não creram em Deus nem confiaram na sua salvação: Vede o que o Espírito Santo nos revela ao recompormos as 116 letras e os 4 sinais, que compõem esta parábola:
(AP.2.7) – QUEM TEM OUVIDOS OUÇA O QUE O ESPÍRITO DIZ ÀS IGREJAS:AO VENCEDOR DAR-LHE-EI QUE SE ALIMENTE DA ÀRVORE DA VIDA, QUE SE ENCONTRA NO PARAÍSO DE DEUS:
(LC,20.17) – Que quer dizer, pois, o que está escrito? Quer dizer que hoje podemos ler, entender e saber ensinar que:
AGORA O CRISTO VIVO ESCREVE ENSINANDO O HOMEM A SER DE DEUS: QUER QUE O ESPÍRITO QUE É DONO DA VERDADE, ESPIRITUALIZE A ALMA QUE É DONA DA JUSTIÇA:
(JB.14.1) – Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim; (EC.12.14) – porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até mesmo as que estão escondidas, quer sejam boas quer sejam más. (JÓ.33.3) – As minhas razões provam a sinceridade do meu coração, e os meus lábios proferem o puro saber: (LC.14.27) – E qualquer que não tomar a sua cruz e vir após mim, não pode ser meu discípulo; (1CO.1.19) – pois está escrito: (JB.21.14) – Este é o discípulo que dá testemunho destas cousas e que as escreveu, e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro; (IS.28.26) pois o seu Deus assim o instrui devidamente e o ensina. ((1TS.5.18) – Em tudo daí graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus, para convosco.

Arnaldo Ribeiro disse...

O ALTÍSSIMO JÁ FAZ JUSTIÇA NA TERRA COM A DESTRA DO CRISTO:

(JR.33.2) – Assim diz o Senhor que faz estas cousas, o Senhor que as forma para as estabelecer (Senhor é o seu nome): (EX.3.14) – Eu sou o sábio que me enviou a vós outros, (SL.33.19) – para livrar-lhes a alma da morte, e no tempo da fome conservar-lhes a vida: (MT.15.10)–Ouvi e entendei, (2PE.1.20) – sabendo primeiramente isto: Há meio século eu me tornei escravo da liberdade do meu próprio Ser em Cristo, empenhado em esquadrinhar o Tratado Bíblico, no afã de me preparar como Guia dos Guias espirituais, para poder conduzir o povo de Deus à terra prometida. Tenho testado as almas nessa fé, e muitas terão dificuldades em alcançar a relevância dessa obra, dado a sua complexidade aliada à descrença reinante nessa terra pagã e sem futuro. Mas Deus é testemunho de que é com a mais pura das intenções que exorto o estudo acurado da nossa bibliogênese; porque sei que essa humanidade infiel e pervertida, já não poderá subsistir sem o conhecimento que Jesus nos passa através dela.
(LV.17.12) – Portanto, tenho dito aos filhos de Israel: (SL.58.11) – Na verdade, há recompensa para o justo, há um Deus, com efeito, que julga na terra; pois é o Espírito Santo que revela ao mundo o ex-segredo guardado nas 98 letras e 7 sinais dessa parábola:

(NM.16.28) – ENTÃO, DISSE MOISÉS: NISTO CONHECEREIS QUE O SENHOR ME ENVIOU A REALIZAR TODAS ESTAS OBRAS, QUE NÃO PROCEDEM DE MIM MESMO:

(MC.14.27) – Todos vós vos escandalizareis porque está escrito:

E CRISTO DIZ AOS HOMENS CONSCIENTES: ESTÃO VENDO QUE ESSE SER É MEU ESPÍRITO EM ARNALDO RIBEIRO, NAS MÃOS DO HOMEM QUE AMA.

(GL.4.16) – Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade? (JÓ.19.4) – Embora haja eu, na verdade, errado, comigo ficará o meu erro. (1CO.4.3) – Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por tribunal humano, nem eu julgo a mim mesmo; (1CO.4.3) – porque se julgássemos a nós mesmos, não seriamos julgados. (2CO.5.10) – Importa que compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo; (LS.1.15) – porque a justiça é perpetua e imortal: (MT.10.18) – Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo: (HB.10.30) – Óra, nós conhecemos Aquele que disse: A mim pertence a vingança, Eu retribuirei: (IS.46.13) – Faço chegar a minha Justiça e não está longe: (MT.5.6) – Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça; porque serão fartos.

Arnaldo Ribeiro disse...

A BOCA FALA DO QUE ESTÁ CHEIO O CORAÇÂO
(LC.6.45)
(EC.51.33) Eu abri a minha boca e disse: (JB.3.27) O homem não pode receber cousa alguma, se do céu não lhe for dada: (EF.3.8) A mim, o menor de todos os Santos, me foi dada a graça de pregar aos gentios o Evangelho das insondáveis riquezas de Cristo:(RM.9.1) Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência; (RM.7.22) porque no tocante ao Homem Interior, tenho prazer na Lei de Deus:(1CO.9.3) E a minha defesa perante os que me interpelam é esta: (DN.9.13) Como está escrito:(EF.4/4/6) Há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados, numa só esperança da vossa vocação; há somente um Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus, e Pai de todos, o qual é Senhor de todos, age por meio de todos, e está em todos: (TG.4.12) Há um só legislador e Juiz; (TM.2.5) porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os Homens, Cristo Jesus, Homem: (IS.46.5) A quem me comparareis para que Eu seja seu semelhante? (JÓ.6.28) Agora, pois, se sois servidos, olhai para mim e vede que não minto na vossa cara: (JÓ.33.3) As minhas razões provam a sinceridade do meu coração, e os meus lábios proferem o puro saber: (GL.1.20) Ora, acerca do que vos escrevo, eis que diante de Deus testifico que não minto; (1PE.2.6) pois isso está na Escritura: