segunda-feira, 26 de março de 2007

Ciência e Fé: Deus e a ciência

(Revista Pergunte e Responderemos, PR 359/1992)


Em síntese: Jean Guitton, Grichka e lgor Bogdanov publicaram re­centemente um livro intitulado “Dieu et la Science" (Deus e a Ciência). Atra­vés de páginas eruditas, mostram como o progresso da ciência leva a reconstituir as fases de origem do universo, atrás das quais deve haver uma Inteligência Suprema e Poderosa responsável pela maravilhosa ordem que reina no processo evolutivo da energia inicial. Cada instante, desde o big bang ou a grande explosão originária, foi dimensionado com precisão vertigi­nosa; cada bilionésimo de segundo e de milímetro teve sua importância nessa história. Qualquer desvio, por mais insignificante que parecesse, teria impedi­do o surto dos minerais que compõem as estrelas, os planetas e as galáxias; conseqüentemente não se teriam constituído as condições para que a vida - e a vida humana - aparecesse sobre a Terra. O infinitamente grande e o infini­tamente pequeno, palidamente esboçados pelos autores do livro, dão teste­munho da existência do Criador, comprovando-se assim o que já dizia Pas­teur: "A pouca ciência afasta de Deus, mas a muita ciência aproxima de Deus."

***

No século XIX não era raro dizer-se que a ciência e a fé não se coa­dunam entre si; a ciência parecia refutar as proposições da fé e relegar a religião para o plano do obscurantismo e da ignorância. - O mesmo não se dá em nossos dias. As conclusões de cientistas de renome têm mos­trado que a própria ciência insinua a existência de uma Inteligência Su­perior, responsável pela ordem do universo; a reconstituição da origem e do desenvolvimento da matéria tem aberto os horizontes e levado o ho­mem a reconhecer o mistério da natureza, expressão do mistério de um Ser Supremo, que é o próprio Deus.

Verdade é que os cientistas propõem teorias muito diversas para explicar este ou aquele fenômeno do passado ou do presente do univer­so; a ciência autêntica é cautelosa e sabe que avança em terreno nunca dantes palmilhado, estando, por isto, sujeita a se reformar ou reformular constantemente. Há, porém, grandes certezas que parecem perpassar as sucessivas descobertas feitas pelos cientistas.

Entre outros livros que procuram levar ao grande público o conhe­cimento do atual estado da ciência, está o de Jean Guitton, notável inte­lectual francês, que escreve, em colaboração com dois cientistas russos: Grichka e Igor Bogdanov, o livro: Dieu et la Science (Deus e a Ciência), Editions Bernard Grasset, Paris, 1991. Do ponto de vista filosófico-teoló­gico, a obra deixa a desejar em alguns pontos, pois não observa a dis­tinção entre matéria, espírito criado e inteligência humana; usa de lin­guagem falha aos olhos da Filosofia, embora Jean Guitton seja um bom cristão, fiel à sua fé católica. Como quer que seja, a obra tem o valor de descrever, em linguagem relativamente fácil, os fenômenos de origem do universo e fazer entrever assim a existência de Deus Criador.

De tal livro extrairemos alguns tópicos mais atinentes ao propósito de coadunar ciência e fé entre si.

1. Recuando na história...

O livro procede sob a forma de diálogo entre Jean Guitton, filósofo, e os dois cientistas russos, de modo que tenciona ser um confronto entre os dados positivos da experimentação e o raciocínio, interessado em ex­plicar esses dados.

Jean Guitton começa apontando uma chave de ferro que se en­contra sobre a sua escrivaninha, e pergunta: "Se eu pudesse refazer a história dos átomos que a compõem, até onde deveria eu recuar? E que é que eu então encontraria?" (p. 38).

Segue-se o desenrolar dessa história sob a pena dos dois cientistas e de Guitton.

1) "Há umas centenas de anos essa chave estava encravada, sob a forma de um minério bruto, no coração de uma rocha" (p. 38). Antes que um golpe de picareta extraísse tal chave, estava ali, como prisioneiro cego, já havia bilhões de anos.

Por conseguinte, o metal da chave é tão antigo quanto a própria Terra, ou seja, tem a idade de quatro bilhões e meio de anos aproxima­damente.

2) Aí, porém, não termina o retrocesso. Pode-se prosseguir a pes­quisa até a época em que a Terra e o Sol ainda não existiam. O metal da chave encontrava-se então a flutuar no espaço entre as estrelas, sob a forma de uma nuvem que continha átomos de ferro e de elementos pe­sados necessários à formação do nosso sistema solar. Isto terá ocorrido há oito ou dez bilhões de anos.

3) Pergunta-se agora: donde vinha essa nuvem?

4) Provinha de uma estrela, sim. Há dez ou doze bilhões de anos, um Sol (existente antes do nosso) explodiu, dando origem a imensas nu­vens de hidrogênio, que se condensaram, aqueceram e acabaram por incandescer, formando as primeiras estrelas-gigantes. Estas são compará­veis a gigantescos fornos destinados a fabricar núcleos de elementos pe­sados necessários à ascensão da matéria para estados mais e mais com­plexos.

Ao cabo de sua existência relativamente breve - apenas algumas dezenas de milhões de anos -, essas estrelas-gigantes explodiram, pro­jetando no espaço os elementos que serviram para fabricar outras estrelas menores, ditas "estrelas de segunda geração", assim como os seus planetas e os metais que estes contém.

5) Em conseqüência, vê-se que uma simples chave hoje existente contém toda a história do universo, história que começou há bilhões de anos antes da formação do nosso sistema solar, história que vai do infinitamente pequeno ao infinitamente grande ou do átomo às estrelas. Mas pergunta-se: seria possível ainda recuar, ultrapassando o período em que se formaram as primeiras estrelas-gigantes?

6) A concepção mecanicista do universo proposta pela Física de Newton está fundada sobre a idéia de que a realidade comporta duas coi­sas fundamentais: corpos sólidos e um espaço vazio. Na vida cotidiana esta concepção funciona sem dificuldade: os conceitos de espaço vazio e de corpos sólidos fazem parte do nosso modo de pensar e de apreender o mundo físico. A realidade cotidiana pode ser considerada como "uma região de dimensões médias, em que as regras da Física clássica conti­nuam a ter aplicação".

Ora tudo muda se passamos para o estudo do infinitamente pe­queno e de seus últimos elementos constitutivos. Foi somente no começo deste século, graças à descoberta das substâncias radioativas, que os cientistas compreenderam a natureza dos átomos; eles não são glóbulos indivisíveis, mas compõem-se de partículas ainda menores. Na linha das experiências de Rutherford, as pesquisas de Heisenberg e dos físicos quânticos demonstram que os constitutivos dos átomos - eletrônios, protônios, neutrônios e as dezenas de outros elementos infranucleares que foram mais tarde descobertos - não manifestam nenhuma das pro­priedades atribuídas aos objetos físicos. As partículas elementares não se comportam como partículas sólidas; parecem conduzir-se como campos de energia. - O estudo deste mundo infinitamente pequeno leva a ver não somente que o universo é mais estranho do que o imaginamos, mas, sim, muito mais estranho do que nós o podemos imaginar.

7) Sim. Chega-se assim à origem do próprio universo, há quinze bilhões de anos. Que ocorreu então?

8) A Física moderna ensina que o universo nasceu de gigantesca explosão (big bang), que provocou a expansão da matéria como ainda pode ser observada em nossos dias. Notemos que as galáxias (nuvens formadas por centenas de bilhões de estrelas) se vão afastando umas das outras sob o efeito dessa explosão inicial. Calculando a velocidade com que se afastam as galáxias umas das outras, pode-se deduzir o momento primordial em que elas estavam conglomeradas num certo ponto, que ti­nha tamanho menor do que uma cabeça de alfinete.

Mais precisamente: os astrofísicos julgam que a energia inicial so­freu a grande explosão nos primeiros bilionésimos de segundo que se seguiram à sua origem. Mais explicitamente: a 10-43 de segundo da existência do cerne do universo, tudo o que hoje existe (galáxias, plane­tas, Terra, árvores, flores, a chave...), tudo estava contido numa esfera de pequenez inimaginável ou da pequenez de 10-33 de centímetro, ou seja, bilhões de bilhões de bilhões de vezes menor do que o núcleo de um átomo.[1]

9) A densidade e o calor desse universo originário atingiam cifras que a mente humana mal pode conceber: a temperatura de 1032 graus (1 seguido de 33 zeros).

Com essa temperatura, a energia do universo que nascia, era monstruosa. Quanto a essa energia, era constituída de uma "sopa" de partículas primitivas, indiferenciadas entre si, que interagiam todas da mesma maneira.

Tal época é a mais surpreendente de toda a história do universo. Os acontecimentos se precipitaram em ritmo alucinante, a tal ponto que muito mais coisas ocorreram nesses bilionésimos de segundo do que nos bilhões de anos que se seguiram. Em um segmento de tempo fabulosa­mente breve, ocupando a extensão de 10-35 a 10-32 de segundo, o uni­verso dilatou-se na proporção de 1050. O seu diâmetro, que era menor do que o de um núcleo de átomo, passou a ser o de uma maçã de 10 cm de diâmetro. Essa expansão vertiginosa era muito mais importante do que a subseqüente; de então a nossos dias, o volume do universo au­mentou em termos relativamente fracos, ou seja, um bilhão de vezes apenas.

10) Detivemo-nos na fase em que o universo era do tamanho de uma maçã; o relógio do cosmo dava-lhe a idade de 10-32 de segundo. Em tal época só existia um tipo de partícula, à qual os astrofísicos dão o nome de "partícula X"; era a partícula originária, da qual procederiam todas as demais; a maçã do universo era perfeitamente homogênea: não era mais do que um campo de forças, que não continha a mínima parcela de matéria.

Ora precisamente na idade de 10-31 de segundo, algo de impor­tante se produziu: as partículas X deram origem às primeiras partículas de matéria - os quarks[2], os eletrônios, os fotônios, os neutrinos e as antipartículas. O universo toma então as dimensões de um grande balão. As partículas aí existentes sofrem flutuações de densidade, que causam irre­gularidades de toda espécie. Esses movimentos irregulares é que deram origem, bem mais tarde, às galáxias, às estrelas e aos planetas.

11) Nos bilionésimos de segundo subseqüentes, o universo vai-se dilatando assombrosamente: passou a medir 300 metros de uma extre­midade à outra, tendo em seu interior trevas absolutas e temperaturas inconcebíveis.

Na idade de 10-11 de segundo, a força eletrofraca dividiu-se em duas forças distintas: a interação eletromagnética e a força fraca. Os fotô­nios não puderam mais ser confundidos com outras partículas, como os quarks, os gluões e os leptônios; as quatro forças fundamentais tiveram assim origem.

Entre 10-11 e 10-5 de segundo, a diferenciação prosseguiu. Os quarks se associaram em neutrônios e protônios e a maioria das anti­partículas desapareceu para dar lugar às partículas do universo atual.

12) Por ocasião de 10-3 de segundo ou da décima milésima fração de segundo, as partículas elementares tiveram origem dentro de um es­paço que acabava de se pôr em ordem. O universo continuou a se dilatar e esfriar. Aproximadamente 200 segundos após o instante original, as partículas elementares se juntaram para formar os isótopos dos núcleos de hidrogênio e de hélio. Assim o mundo que hoje conhecemos, come­çou a tomar suas primeiras linhas básicas.

13) Toda a história que acaba de ser descrita, durou três minutos e vinte segundos. A partir daí, a evolução será muito mais lenta. Durante milhões de anos o universo inteiro será banhado de radiações e de um plasma de gás turbilhonante.

Aos 100 milhões de anos, as primeiras estrelas se formaram em imensos turbilhões de gás. Foi no âmago delas que os átomos de hidro­gênio e hélio se fundiram para dar origem aos elementos pesados que entraram na constituição da Terra bilhões de anos depois.

Trata-se, portanto, de realidades vertiginosamente possantes e concatenadas. Os astrofísicos perguntam: que é que explica o surto do universo ou, melhor, da energia inicial que explodiu no big bang, com todo o código de informações subseqüentes? Para tal pergunta, eles não têm resposta. Detêm-se perplexos diante do Muro de Planck ou diante daquele 10-43 de segundo em que se deu a explosão, sem poder dizer o que houve antes. Para trás do Muro de Planck, há, para os cientistas, o mistério total.

Continuaremos a refletir sobre o assunto sob o título seguinte.

2. Acaso ou Inteligência Criadora?

A explanação até aqui desenvolvida evidencia que a história do uni­verso é a de uma energia indiferenciada que traz em si a tendência a se organizar espontaneamente em sistemas sempre mais heterogêneos. A evolução é orientada da unidade para a diversidade, realizando ordem a partir da desordem, elaborando estruturas cada vez mais complexas...

Pergunta-se, porém: por que a natureza produz ordem? - A per­gunta impõe-se com insistência se se leva em conta que o universo pare­ce ter sido minuciosamente disposto a fim de permitir o surto da matéria com todas as suas micro e macroconstelações. Se as leis físicas não tives­sem sido rigorosamente o que elas foram e são, "não estaríamos aqui para falar delas" (Hubert Reeves, astrofísico). Mais: se uma das grandes constantes universais (por exemplo, a constante da gravitação, a veloci­dade da luz ou a constante de Planck) tivesse sofrido, nas suas origens, uma ínfima alteração, o universo não teria possibilidade de abrigar seres vivos e inteligentes; talvez mesmo nunca teria aparecido.

Ora a precisão vertiginosa, infinitamente grande e infinitamente pe­quena, do universo será resultado do acaso ou deve-se à vontade de uma Causa Primeira, de uma Inteligência, que transcende a nossa realidade? Existe um plano universal, do qual cada elemento foi minuciosamente calculado? Existe uma ordem subjacente atrás daquilo que a nossa igno­rância chama "o acaso"?

É o que vamos examinar nas páginas seguintes.

2.1. Observando de perto..

.

1. Consideremos um floco de neve. Pequeno como é, obedece a leis matemáticas e físicas de surpreendente sutileza, dando lugar a figuras geométricas diferentes umas das outras: cristais e policristais, agulhas, dentrites, plaquetas, colunas... O mais maravilhoso é que cada floco de neve é único no mundo; flutuando durante uma hora no vento, foi sub­metido a várias influências: as da temperatura, da umidade, das impure­zas da atmosfera... que contribuíram para imprimir ao floco a sua confi­guração típica e singular; a forma final de um floco contém a história de todas as condições atmosféricas que ele atravessou. Examinando, porém, de perto esse floco, verificamos nele uma bela ordem, um equilíbrio delicado entre as forças de estabilidade e de instabilidade ou uma interação fecunda entre forças da escala atômica. Donde vem esse equilíbrio? Qual a origem dessa simetria?

2. Eis uma experiência significativa, que suscita as mesmas interro­gações.

Imaginemos uma placa fotográfica sobre a qual se projetam raios de luz ou fotônios provenientes de determinada fonte. Entre esta fonte e a placa fotográfica coloca-se uma tela portadora de duas fendas verticais paralelas entre si. Se alguém projeta as partículas luminosas uma por uma na direção das fendas, é-lhe impossível dizer qual fenda a partícula vai atravessar nem em que ponto preciso da placa fotográfica ela se vai colocar. Por conseguinte, os movimentos e a trajetória de cada partícula luminosa são para nós imprevisíveis.- Todavia, após um milheiro de lan­ces aproximadamente, verifica-se que os fotônios não imprimem uma mancha qualquer sobre a placa fotográfica. O conjunto das partículas projetadas uma após a outra oferece uma figura perfeitamente estrutura­da. Tal figura, em seu conjunto, era plenamente previsível. Com outras palavras: a índole aleatória do comportamento de cada partícula isolada incluía, na verdade, uma grande ordem e harmonia muito elevada, que não podíamos imaginar.

Tal experiência significa que o universo não decorre do acaso, mas é fruto de diversos graus de ordem e harmonia, cuja hierarquia nos com­pete decifrar. Os elementos postos inicialmente em turbulência e desordem que não podemos compreender, parecem, ao final das contas, mo­vidos por algo que os especialistas chamaram "o Estranho Atraente".

2.2. Formulando hipóteses...

Os astrofísicos afirmam que toda a realidade pousa sobre umas tantas (menos de quinze) constantes cosmológicas: a constante da gravi­tação, a da velocidade da luz, a do zero absoluto, a constante de Planck... Conhecemos o valor de cada uma dessas constantes com notável preci­são.

Ora, se uma só dessas constantes tivesse sido modificada (por pou­co que fosse) no início da história do universo, este, como o conhecemos hoje, não teria podido aparecer.

Exemplo impressionante é o da densidade inicial do universo: se esta se tivesse afastado (por pouco que fosse) do seu valor crítico desde 10-35 de segundo após o big bang, o universo não se teria constituído. Foi a precisão das dimensões iniciais, combinadas entre si, sem a mínima oscilação, que permitiu o desencadeamento de todas as fases subse­qüentes.

Outro exemplo dessa fantástica harmonia: se aumentássemos de 1% apenas a intensidade da força nuclear que controla a coesão do nú­cleo do átomo, extinguiríamos a possibilidade de que os núcleos de hidrogênio ficassem livres; eles se combinariam com outros protônios e neutrônios para formar núcleos pesados. Em conseqüência, o hidrogê­nio, deixando de existir, já não se poderia combinar com os átomos de oxigênio para produzir a água indispensável ao surto da vida. - Se, ao contrário, diminuíssemos em grau mínimo a força nuclear, tornar-se-ia impossível a fusão dos núcleos de hidrogênio. E, sem essa fusão nuclear, não haveria sóis, nem fontes de energia, nem vida.

Ainda outro exemplo: se a força da gravidade tivesse sido mais fra­ca por ocasião da formação do universo, as nuvens primitivas de hidro­gênio nunca teriam podido condensar-se para atingir o limiar crítico da fusão nuclear: as estrelas nunca se teriam acendido. Mas também a hi­pótese contrária seria infeliz: um poder atrativo da gravidade mais forte teria provocado um autêntico embalo das reações nucleares; as estrelas se teriam incendiado furiosamente, para morrer tão depressa que a vida nem teria tido o tempo de se desenvolver.

Mais: algo de semelhante se dá com a força eletromagnética. Se a aumentássemos muito levemente, reforçaríamos a ligação entre o eletrô­nio e o núcleo; em conseqüência, as reações químicas que resultam da transferência dos eletrônios para outros núcleos já não seriam possíveis. Uma grande quantidade de elementos não se poderiam formar; em tal universo, as moléculas de ADN não teriam condições de aparecer.

Todos estes exemplos mostram unanimemente que, se se modifica, em grau mínimo que seja, o valor dos parâmetros considerados, extin­guimos toda possibilidade de origem da vida. Por conseguinte, as constantes fundamentais da natureza e as condições iniciais, que permitiram o surto da vida, parecem ter sido dimensionadas com precisão vertiginosa.

Em confirmação, notemos ainda o seguinte: se o teor de expansão do universo tivesse sofrido um desvio da ordem de 10-40, a matéria ini­cial se teria espalhado no universo vazio; não teriam aparecido as galáxias, as estrelas e a vida. Para se ter uma pálida idéia da inconcebível fir­meza com que o universo foi dimensionado, imaginemos a proeza que se exigiria de um jogador de golf, que, posto na Terra, quisesse lançar a sua bola para dentro de um buraco existente em algum ponto do planeta Marte!

2.3. Conclusão

Estas ponderações suscitam a forte convicção de que nem as galá­xias nem os bilhões de estrelas nem os planetas nem a própria vida são apenas um acidente ou uma flutuação do acaso. O mundo que hoje conhecemos, não apareceu um belo dia, e não em outro, simplesmente porque um par de dados cósmicos rolou de maneira bem sucedida. Só pode pensar assim quem não conheça a realidade dos números atrás apontados!...

Para corroborar esta conclusão, os matemáticos conseguiram fabri­car computadores que geram números aleatórios (casuais); são máquinas destinadas a "produzir o acaso". E verificaram que esses computadores deveriam calcular durante bilhões de bilhões de bilhões de anos... antes que ocorresse uma combinação de números comparável àqueles que permitiram a eclosão do universo e da vida. Com outras palavras: a pro­babilidade matemática de que o universo tenha sido gerado pelo acaso, é praticamente nula.

Donde se vê que a existência do universo - e do universo com o quadro necessário ao surto da vida - estava minuciosamente programa­da desde o início, ou desde o Tempo de Planck ou o Muro de Planck. Tudo o que hoje existe, desde as estrelas até as chaves de casa e as árvores do jardim, já existia em gérmen no minúsculo universo originário.

É o que lembra o princípio antrópico, emitido em 1974 pelo astrofí­sico inglês Brandon Carter. Segundo este cientista, "o universo possui, muito exatamente, as propriedades exigidas para ser o habitat de um ser dotado de inteligência". As coisas são o que elas são, simplesmente porque não poderiam ter sido diferentes; não há lugar, na realidade, para um universo diferente daquele no qual fomos colocados.

3. Palavra final

Estes poucos traços de ciência e reflexão extraídos do livro de Jean Guitton, Grichka e I. Bogdanov possibilitam, de certo modo, chegar a Deus ou à conclusão de que existe um Ser Superior, dotado de Inteligência, Sabedoria e Amor perfeitíssimos, autor dos cálculos que o homem vai refa­zendo aos poucos, e Criador da energia inicial, à qual incutiu as forças e leis, precisamente definidas, de sua evolução. Tal Ser Superior - Deus - conhece os mistérios do universo e rege a sua história. Foi Ele que, quando o mundo irracional estava devidamente arrumado e organizado, houve por bem criar a alma humana (espiritual ou imaterial) e infundi-la ao organismo do vivente primata, que se tornou o ser humano[3]. Este (o homem) é o ponto de chegada da evolução da matéria, associando em si mesmo matéria e espírito, e fazendo a mediação entre o mundo inferior e o Criador. O homem assim originado deve ser objeto de grande carinho da parte do Criador; para ele foi preparado o cenário que o cerca, a fim de que, contemplando-o com inteligência e profundidade, descubra os vestígios do Criador e glorifique o Senhor Deus, que o fez, o conserva e o chama à plenitude da vida.

____

NOTAS:

[1] O diâmetro do núcleo de um átomo mede apenas 10-13 de centímetro.

[2] Os quarks têm este nome, porque tais partículas existem em grupos de três, como os famosos quarks inventados por James Joyce no seu ro­mance Finnegans Wake.

[3] A fé católica permite que se professe a origem do corpo humano por evolução da matéria viva irracional. Esta, quando atingiu as condições devi­das, recebeu por infusão a alma humana diretamente criada por Deus - o que deu origem a existência do homem sobre a Terra. A alma humana, sendo es­piritual, não pode ser produto da matéria em evolução, ao passo que o corpo humano, sendo material, pode ser oriundo da matéria preexistente.

Todavia a fé católica não define como verdade dogmática nenhuma teo­ria a respeito da origem do homem, desde que se salvaguarde a diferença en­tre corpo e alma ou entre matéria e espírito.

___

Nenhum comentário: