sábado, 16 de junho de 2007

Sacerdócio: celibato no clero II

(Revista Pergunte e Responderemos, PR 122/1970)

«O celibato do clero está sempre na ordem do dia.

Que novidade poderia comunicar-nos sobre o assunto

Sobre o assunto «celibato do clero» prosseguem debates e comentários calorosos. Assaz interessante é a entrevista dada pelo Cardeal Hoeffner, arcebispo de Colonha (Alemanha), e publicada no jornal «Kirchlicher Anzeiger für die Erzdioezese Kôln» de 1° de agosto de 1969.

Segue-se o trecho de tal entrevista que pode interessar diretamente ao público brasileiro:

1. Perda para a Igreja

Jornalista: «Há grupos de sacerdotes que pedem a abo­lição do que chamam 'o celibato obrigatório'. Que pensa a res­peito V. Eminência na qualidade de sociólogo?»

Cardeal Hoeffner: «O celibato sacerdotal abraçado em vista do reino de Deus apresenta, sem dúvida, problemas so­ciológicos e psicológicos. Todavia é somente na fé que ele pode ser compreendido em toda a sua profundidade. A vocação ao celibato, da mesma forma que a vocação ao sacerdócio, é uma escolha, uma graça que vem de Jesus Cristo. O Senhor louva aqueles que, em vista do reino de Deus, estão prontos a deixar ‘casa, esposa, irmãos, parentes ou filhos’ (Lc 18,29; Mt 19,29). Em nossa sociedade secularizada, em nossa civilização do conforto, o celibato em vista do Reino de Deus é precisamente uma excelente maneira de seguir o Senhor até as últimas conse­qüências.

Um leigo, Alberto Goerres, professor da Universidade de Munique e médico psiquiatra, escreveu recentemente que a abolição do celibato 'seria para a Igreja uma perda enorme'. Talvez a lamentável pressão contra o celibato levasse o povo de Deus a ter que se contentar em breve com um tipo de padres mais achatado, mais tíbio, mais grosseiro. Tudo isso só estimularia o desencadeamento do erotismo... e a dissolução do casamento entre os leigos'».

2. Amadurecimento da personalidade

Jornalista: «Não é raro ouvir dizer que o celibato entrava a maturidade da personalidade... Certos grupos de sacerdotes declararam recentemente que, para eles, se trata de revalorizar a sexualidade entre o homem e a mulher».

Cardeal Hoeffner: «Antes de exprimir meu modo de pensar, desejo citar de novo o professor Alberto Goerres. Crer que, ‘sem a experiência das relações sexuais, o homem não pode chegar à maturidade de sua personalidade, escreve ele, é pura ideologia, e o tipo da afirmação não científica. Temos todo motivo para crer que entre os sacerdotes católicos existem ao menos tantos homens maduros quantos entre os advogados, os professores, os médicos e os pastores protestantes’.

O celibato abraçado em vista do reino de Deus não é um maniqueísmo hostil à sexualidade; é a aventura de um amor que se dá ao Cristo. O sacerdote deve assemelhar-se a Cristo, que se entregou definitivamente e sem reserva em favor dos seus. O verdadeiro problema que se coloca para o sacerdote hoje, é o seguinte: consagrar toda a nossa existência a ser pai e irmão de uma comunidade e nesta exercer o ministério da reconciliação, será isto, hoje ainda, algo de necessário e que valha a pena? Quem quer que tenha alguma noção dos proble­mas e das indagações dos homens de hoje não ousará responder pela negativa».

3. A Igreja não obriga ao celibato

Jornalista: «Muitos sacerdotes não se opõem ao celibato em si, mas ao celibato obrigatório, o qual contraria o espírito do Evangelho. Sacerdócio e celibato deveriam ser dissociados».

Cardeal Hoeffner: «Afirmar que, pelo celibato anexo à função ou o celibato obrigatório, a Igreja constrange ao celi­bato os candidatos ao sacerdócio, é uma calúnia. Eu, que sou bispo, só me disponho a ordenar sacerdote um jovem quando, depois de madura reflexão, tenha chegado à convicção de que Cristo lhe deu o duplo dom da vocação ao sacerdócio e da vocação ao celibato em vista do reino de Deus. Quem aspirasse ao sacerdócio aceitando o celibato como uma condição lamen­tável que é preciso aceitar, sem ter certeza de que o Senhor lhe deu o dom de poder compreender, esse candidato procederia de modo temerário e culpável.

Enquanto bispo, da mesma forma como a ninguém obrigo a tornar-se sacerdote, não obrigo quem quer que seja a não se casar. A liberdade de decidir compete àquele que Deus chama. Quem, mais tarde, reconhece que se enganou, recebe da Igreja uma dispensa. Assim também a Igreja concede dispensa a quem perdeu o dom do celibato por própria culpa - o que também é possível».

4. Abolição do celibato, remédio à falta de vocações?

Jornalista: «Diz-se muitas vezes que no mundo de hoje a Igreja teria a obrigação de renunciar ao celibato sacerdotal, pois esta seria a única forma de remediar à falta de padres; muitos sentem-se chamados ao sacerdócio, não, porém, ao celibato».

Cardeal Hoeffner: «O segundo Concílio do Vaticano res­pondeu claramente a esta questão, e sua resposta fornece-nos a chave do problema. Colocou o celibato sacerdotal sob o signo da virtude teologal da esperança. ‘A Igreja, diz o Concílio, nutre a confiança de que o Pai concederá a suficiente número de homens a vocação ao celibato ao mesmo tempo que a voca­ção ao sacerdócio, contanto que isto seja humilde e instante­mente impetrado’ pelos sacerdotes e pela Igreja inteira (De­creto sobre os Presbíteros n° 16).

O sim ao celibato é uma questão de fé, não somente da parte dos homens que se tornam presbíteros, mas também da parte das famílias católicas e de todo o povo de Deus. O celi­bato, em última análise, é a alegria da cruz. No decorrer da sua história, a Igreja se renovou sempre e exclusivamente mediante um dom maior de si a Cristo, e nunca mediante um dom menor.

De resto, a experiência mostra que a abolição do celibato não traria número maior de vocações sacerdotais. Um grupo de trabalho que dirigi no Encontro de Coira (Suíça) estendeu­-se demoradamente sobre este assunto no dia 9 de julho. A Igreja ortodoxa da Iugoslávia, que conta cerca de 9 milhões de membros, só tem 800 seminaristas, embora o clero aí seja casado. Ao contrário, a Igreja Católica da Iugoslávia, que conta 7 milhões de membros, tem 4.500 seminaristas, apesar do celibato sacerdotal. Em Oldenburg, as vocações sacerdotais na população católica são 500% mais numerosas do que as vocações para pastor na população protestante. A Igreja pro­testante de Berlim-Oeste comunicou que, das suas 373 paró­quias, 50 não têm pastor. E na sua conferência de encerramento do Encontro de Coira o Cardeal Suenens disse: ‘As Igrejas protestantes da Inglaterra, por exemplo, contam 3.000 postos vagos; não obstante, o clero respectivo é casado’».

5. Sacerdotes casados e sacerdotes celibatários?

Jornalista: «Alguns propõem sejam ordenados sacerdotes tanto homens casados como não casados. Deste modo, o celi­bato seria mantido, e ao mesmo tempo o acesso ao sacerdócio seria franqueado também aos homens casados».

Cardeal Hoeffner: «A experiência das Igrejas luteranas, calvinistas, reformadas e ortodoxas mostra que, dentro de algumas dezenas de anos, também na Igreja católica não have­ria mais sacerdotes diocesanos celibatários. Aplicar-se-ia a lei sociológica da ‘via larga’ que se abre e pela qual finalmente todos se encaminham. Caso se pusesse em prática a hipótese acima, ou o celibato desapareceria por completo, como no protestantismo, ou se refugiaria nos claustros, como nas Igre­jas ortodoxas. J. -C. Hampe escreveu a respeito das Igrejas protestantes : ‘Na verdade, o celibato dos pastores é absoluta­mente impensável’.

Apesar do seu valor íntimo, o celibato sacerdotal depende de uma decisão coletiva. Num decanato[1] em que a maioria dos padres for casada, tornar-se-á, com o tempo, impossível que dois ou três padres continuem a viver celibatàriamente em meio aos colegas. Esse sinal escatológico e 'revolucionário' que é o celibato em vista do reino de Deus desaparecerá por com­pleto. Resta saber se isto será uma bênção para nossos lares e nossas famílias católicas».

(Texto traduzido de «La Documentation Catholique» t. LXVI, 19/10/1969, n9 1549, pp. 918-920).

A respeito do tema abordado sob o n.º 4 da entrevista acima, pode-se ainda notar o seguinte:

O jornal «La Croix» de Paris, aos 18/7/69, dá noticia de um colóquio realizado em Moscou poucos dias antes entre o P. Wenger, diretor desse mesmo periódico, e Monsenhor Niko­dim, metropolita de Leningrado

« ... Monsenhor Nikodim mostrou-se bastante preocupado com a crise da fé e do sacerdócio na Igreja latina. Visto que os arautos do casamento dos padres invocam freqüentemente a tradição da Igreja ortodoxa, perguntei ao metropolita qual a sua opinião sobre assunto tão delicado. Respondeu-me que, se isto dependesse dele, pediria a todos os sacerdotes ortodoxos que observassem o celibato. A experiência mostrou-lhe quanto os sacerdotes que não têm encargo de família são mais dedi­cados ao Senhor e aos seus fiéis.

Isto, aliás, corresponde ao ensinamento de S. Paulo e à lição da história. Apesar das defecções, o celibato dos sacer­dotes é a grande força da Igreja latina. É preciso não o

aban­donar.

... Haverá sempre vocações. Devemos ter confiança no Espírito Santo. Vem a propósito um episódio da vida de Jo­ão XXIII[2]:

Nos primeiros tempos do seu pontificado, João XXIII não conseguia conciliar o sono.

Certo dia, uma voz pareceu dizer-lhe em sonho: ‘Angelo Roncalli, és tu que diriges a Igre­ja ou o Espírito Santo?’ Daquele dia em diante, ele permane­ceu em paz. Assim também, concluiu Mons. Nikodim, devemos na crise presente ter confiança no Espírito Santo. É Ele quem dirige a Igreja... »

(Transcrito de «La Documentation Catholique», ib., p. 931).

Os dizeres das páginas anteriores, concretos e vivos como são, trazem sua contribuição interessante e valiosa para o de­bate sobre o celibato sacerdotal: amadurecimento de persona­lidade, perspectivas de aumento de vocações... aí são consi­derados à luz de dados concretos e muito significativos. O casa­mento do clero não parece resolver os problemas; diz a expe­riência dos cristãos orientais. É no encontro com o Invisível, na oração e na vida interior, que o sacerdote acha e achará primordialmente a explicação e justificativa de sua missão; na união íntima com o Criador ele encontrará os deleites que criatura alguma lhe pode proporcionar.

_____

NOTAS

[1] Decanato = circunscrição eclesiástica que compreende algumas paróquias.

[2] Há muito que Mons. Nikodim trabalha na redação de uma bio­grafia do Papa João XXIII.

Nenhum comentário: