sábado, 19 de junho de 2010

Liberdade: o mal e a liberdade humana

(Revista Pergunte e responderemos, PR 007/1957)


“Se Deus vê todas as coisas, vê que vou fazer o mal. Deixa-me, entretanto, a liberdade. Não consente no mal?”

É preciso observar, em primeiro lugar, que as profecias não tiram a liberdade de arbítrio do homem; não se pode, por conseguinte, dizer que Judas agiu de tal modo porque de tal modo fora profetizado o seu procedimento; mas, ao contrário, afirmar-se-á que tal era a profecia porque tal havia de ser a conduta de Judas. Deus tudo sabe de antemão; mas a preciência divina de modo nenhum extingue a liberdade do homem; sabia, pois, desde toda a eternidade que Judas havia de atraiçoar livremente o Divino Mestre.

Aprofundemos ainda a explicação: o Pai Eterno decretou que seu Filho padecesse como Redentor do mundo, na carne humana. Para obter esse efeito, não foi necessário que a Oni­potência Divina endurecesse o coração de Judas ou decretasse positivamente o pecado do traidor. Lembremo-nos de que a Santa Igreja condenou como herética a doutrina de Godescalco († 868), o qual afirmava haver predestinação direta e posi­tiva para o mal (tese repetida por Calvino no século XVI). Não; o mal nunca acontece porque Deus o queira em si; o Criador apenas permite que o homem, por sua livre vontade, torne lacunosos ou carecentes os dons positivos e bons que ele recebe de Deus (sabemos que o mal não é uma entidade positiva, mas mera carência; cf. «Pergunte e Responderemos» 5/1957 qu. 1).

Portanto, o pecado de Judas, que não foi positivamente decretado pelo Senhor Deus, se deve à habitual desordem da concupiscência ou, mais remotamente, à falibilidade do livre arbítrio da criatura; foram a avareza (cf. Jo 12,4-6; 13,29) e o ódio que levaram Judas a atraiçoar o Salvador. Aconteceu, porém, algo de estupendo: o Todo-Poderoso fez que a obra má de Judas ainda servisse a um plano bom, à Redenção do gênero humano! — É neste sentido apenas que se diz que o pecado de Judas estava englobado no plano do Criador expresso pelas Escrituras.

Mas Deus não podia ter impedido a queda de Judas, fazen­do que a Paixão de Jesus decorresse sem a traição?

Sem dúvida, podia Deus ter evitado que Judas pecasse; mas, para isto, deveria ter retocado ou mutilado o livre arbítrio do homem. Tal retoque, o Senhor não o quis fazer, pois Ele cos­tuma respeitar os seus dons, não derrogando ao que deu. Dei­xou, portanto, que os acontecimentos da Paixão se desenro­lassem segundo o curso que lhes podiam dar as criaturas li­vres postas em jogo (Judas contribuiu principalmente com a sua avareza; os Fariseus, com a sua soberba e hipocrisia; o po­vo judaico, com sua obcecação; Pilatos, com a sua fraqueza de caráter). A Providência Divina apenas quis assegurar a vitória final ao Bem, encaminhando surpreendentemente até os erros e desmandos dos diversos atores para a salvação do gênero humano.

Algo de semelhante se dá em todo pecado. O Senhor deseja a salvação de todos os homens (cf. 1 Tim 2,4) e concede a todos sem exceção a graça suficiente para praticarem o bem; a morte do Redentor na cruz visava, sim, o gênero humano inteiro. O próprio Judas foi intimado por Jesus a tomar cons­ciência da hediondez da traição, quando o Mestre o interpelou na última ceia (cf. Mt 26,25). Contudo Deus permite que o homem exerça a sua liberdade, resistindo à graça; caso escolha o Bem, produz ato mais nobre do que se fora forçado; dado, porém, que opte pelo mal, a culpa há de lhe ser atribuída exclusivamente, pois da parte de Deus nada terá faltado para que praticasse o bem.

Vê-se, pois, que o mistério da iniqüidade depende, em última análise, da liberdade de arbítrio do homem, arma de dois gumes que o Criador outorgou à criatura para que esta se eleve acima de um autômato, mas que o homem, apesar de todas as solicitações da graça, não raro utiliza para sua ruína (veja-se «Pergunte e Responderemos» 5 1957 qu. 1).

Quanto à sorte eterna de Judas, a tradição exegética costuma interpretar as palavras de Jesus em Mt 26,24 como anúncio de sua condenação definitiva. Contudo tal sentença não é unânime nem obrigatória.

Nenhum comentário: